Posted on August 20th, 2014

Greetings From Cambridge! 

The combined economies of Latin America and China are about half of the GDP of the United States.  That is a significantly large amount of demand and production, and here at MIT Sloan we think that more cooperation between the two regions will benefit them – and the global economy - tremendously.

This is why we are hosting the MIT Sloan Latin America-China Conference being held in São Paulo on Friday, August 29th (less than two weeks away!).

Other MIT Professors and I will join a stellar line up of presenters, who come from academia, and who are practitioners and policy makers, to talk about these two regions in depth. Among other topics, we will explore the prospects and challenges for economic growth.
This will be the first conference we are organizing in what we hope will become a series of annual conferences on this topic.  It is also a reflection of MIT’s commitment to being more engaged in Latin America – but this engagement also depends on you, our alumni, in order to be successful.

By attending you will be continuing your MIT education and helping the school to build deeper relationships and research in your region.

To register, please go to https://www.regonline.com/builder/site/?eventid=1503717
For more information please visit the conference website:
http://mitsloan.mit.edu/international/conferences/mit-sloan-latin-america-china-conference/overview/

I look forward to seeing you in São Paulo on Friday, August 29th.
Best wishes,
Roberto Rigobon

Posted on August 20th, 2014






​Pela terceira vez, um programa do Massachusetts Institute of Technology (MIT) guia o movimento de expansão da rede de salões Beleza Natural.

Em março, um grupo de seis alunos do MIT EMBA, programa para executivos com no mínimo dez anos de experiência, desembarcou no Brasil para definir qual o melhor modelo de capacitação para suportar os planos de expansão da rede. O projeto prevê o aumento no número de colaboradores de 3 mil para 15 mil até 2018, com a inauguração de mais de 100 lojas em território nacional.

No início deste mês, a rede recebeu o resultado final do trabalho: um software que define, de acordo com o tamanho da operação em cada região, qual o modelo a ser adotado.

Leila Velez, sócia da rede, disse que o grupo estava em dúvida entre a criação de uma universidade corporativa, que ela chama de "universidade dos cachos", ou vários centros de treinamento pelo país. Acabou optando por se inscrever novamente no programa do MIT, que já havia desenvolvido dois trabalhos de consultoria para a rede.

No primeiro projeto, em 2006, o modelo de lojas próprias foi indicado como o mais adequado para a expansão. Em 2007, um novo grupo de estudantes definiu premissas para a expansão, como a localização das lojas, que fez a rede chegar a 23 unidades em cinco Estados.

"É um programa muito bom e que está disponível para qualquer empresa. O custo é o da passagem e hospedagem dos alunos", afirma Leila. Ela calcula ter gastado cerca de R$ 50 mil com uma consultoria que, no mercado, não custaria menos de R$ 400 mil.

O vice-presidente de estratégia e engenharia da Boston Scientific, o indiano Sujal Bhalakia, foi um dos alunos que vieram ao Brasil para prestar consultoria para a rede em março. Segundo ele, todos os participantes elegeram a Beleza Natural como primeira opção. O conhecimento sobre o Brasil era superficial e sobre a Beleza Natural, inexistente.

"Estudamos muito antes da viagem, mas depois aprendemos como cidades como Rio, São Paulo e Salvador podem ter valores tão diferentes, embora estejam tão próximas", disse Bhalakia, lembrando que o MIT ofereceu um cardápio com 19 projetos para a escolha dos alunos. "É um programa muito interessante. Éramos 111 alunos de 30 nacionalidades".

Bhalakia considera o programa de expansão da Beleza Natural bastante agressivo, mas possível de ser atingido. Para o executivo, o foco na classe C é um dos fatores que sustentam esse crescimento. Contudo, alerta que é preciso agir com cuidado.

"A questão-chave para seu crescimento é que eles terão que contratar milhares de pessoas, treinar para o atendimento no salão e no processo de atendimento. Um crescimento rápido vai exigir muita estratégia", disse.

O que a sócia do Beleza Natural mais gostou no resultado do trabalho é que o programa é de recomendar a melhor alternativa para cada região de acordo com o custo-benefício. Para isso, considera fatores como o tamanho da operação, número de funcionários e taxa de rotatividade, distância do centro de treinamento mais próximo etc.

A Universidade dos Cachos será construída em anexo à nova unidade fabril do grupo, que será no Estado do Rio de Janeiro, mas ainda não tem local definido. Além disso, a Beleza Natural terá outros centros de treinamento, um caminhão-escola e poderá fazer parcerias locais para treinamento.

"A beleza do modelo está na flexibilidade. O software capta as variações pelos inputs. Se aumentar a rotatividade em uma determinada região, por exemplo, ele pode alterar a recomendação", afirma Leila.

Como o modelo se adequa ao tamanho da operação, o custo de treinamento vai ser diluído no investimento para expansão. Na primeira rodada, o modelo recomendou, além da Universidade dos Cachos no Rio, centros de treinamentos em São Paulo, Bahia e Minas Gerais.

"Estamos olhando agora a região metropolitana e o interior para avaliar a necessidade", diz.

Posted on June 13th, 2014


















​Consultor educacional dá dicas de como fazer pós-graduação no exterior

O especialista Ricardo Betti mostra como dar uma guinada na carreira.

Ele largou a medicina assim que se formou para seguir na área de RH.

Você já se formou, mas precisa de uma guinada na carreira ou pensa até em mudar de profissão? Está desanimado, perdido, quer expandir seus horizontes? Muita gente já se viu nessa situação e acabou buscando um curso no exterior. E é sobre esse caminho que vamos conversar hoje com o conselheiro educacional, Ricardo Betti.

“É um prazer compartilhar a aminha própria história, porque isso aconteceu comigo”, diz Ricardo Betti, que há 25 anos largou a medicina assim que se formou para entrar no mundo dos Recursos Humanos.

“Quando eu me formei em medicina na USP a única certeza que eu tinha era que eu não queria ser médico. Absoluta certeza”, afirma. “Então, o caminho que eu encontrei foi fazer um curso de MBA no MIT, terminei o curso há 26 anos e de lá pra cá eu faço esse trabalho de ajudar pessoas que têm dúvidas com relação ao seu desenvolvimento de carreira e quer uma orientação”, completa o especialista, que já aconselhou mais de 1.500 profissionais.

Segundo Betti, com a obrigação de decidir muito cedo que profissão seguir, a dúvida vocacional aparece com muita frequência. “Tenho visto agrônomos que viraram publicitários, publicitários que viraram jornalistas, psicólogo que virou marqueteiro”, conta.

E qual é o ponto de partida para fazer um curso de especialização no exterior? “Para fazer um MBA nas melhores escolas do mundo é muito importante ter fluência no inglês – não só para sobreviver durante o curso, mas também para passar nos testes”, ressalta sobre os testes de proficiência exigidos para estrangeiros. “Tem que estar muito bem preparado. São cerca de nove meses de preparação”.

Mas não é só isso. “Além desses testes, a pessoa tem que apresentar histórico escolar, tem que apresentar um currículo, tem que escrever redações contando a história da sua vida. E essas redações são muito importantes também na estratégia de entrada. Aí tem as cartas de recomendação, que também são importantes. Precisa ter duas cartas de recomendação para entrar nessas escolas”, explica Betti, sobre a complexidade do processo. “Mas é incrível a quantidade de brasileiros que vão bem no processo e conseguem entrar nas melhores escolas do mundo”.

“É muito bom ser brasileiro nessa hora. É uma vantagem competitiva”, acredita Betti. Segundo ele, o número de brasileiros estudando no exterior vem crescendo bastante. “Quando você compara com estatísticas internacionais, tem 5 mil indianos por ano, tem 8 mil chineses e tem 400 brasileiros. Dá para melhorar bastante”.

Fonte: http://g1.globo.com/globo-news/noticia/2014/06/consultor-educacional-da-dicas-de-como-fazer-pos-graduacao-no-exterior.html


Posted on May 21st, 2014












Please join us for the inaugural

2014 MIT Sloan Latin America-China Conference: 
Prospects & Challenges for Economic Growth  

Thursday & Friday, August 28-29, 2014 at the Sheraton São Paulo World Trade Center Hotel, São Paulo, Brazil.  MIT Sloan will bring together prominent academics, business leaders and policy advisors for dialogue, debate and discussion on what the future may hold for Latin America and China as important trading partners and competitors.

Join us for the kick-off dinner featuring a keynote presentation on August 28.  On August 29, enjoy a keynote presentation, networking opportunities, and four panel discussions amongst prominent academics, business leaders and policy advisors, led by MIT Sloan Faculty. 
MIT Sloan Faculty include: 

Yasheng Huang, International Program Professor in Chinese Economy and Business

Roberto Rigobon, Society of Sloan Fellows Professor of Management

Christopher Knittel, William Barton Rogers Professor of Energy

Don Lessard, Epoch Foundation Professor of International Management, Emeritus

We look forward to seeing you in São Paulo!

For more information, including information on registration, please visit: http://mitsloan.mit.edu/international/offices/mit-sloan-latin-america-china-conference/ Or email: latinamericachinaconference@sloan.mit.edu



Posted on May 6th, 2014



◀ Older Posts